Desapego

desapegue-se das coisas materiais, pois “a única coisa que a gente leva dessa vida é a vida que a gente leva”, Barão de Itararé. Isso não quer dizer que você não deva almejar bens para o seu conforto, mas adquiri-las, não pode se tornar o único propósito de sua vida. desapegue-se das pessoas, pois somos seres individuais, não nascemos para viver em função do outro, a não ser que essa escolha o/a faça feliz. Precisamos compreender que as pessoas não nos pertencem, ou seja, ninguém é de ninguém, quando somos tomados por esse sentimento, sofremos, pois vivemos cobrando constantemente do outro: carinho, atenção, afeto, amor e por isso não aceitamos muitas vezes, o término de uma relação. É esse sentimento de posse que gera violência e ciúmes nos relacionamentos conjugais. Quando nos livramos do sentimento de posse, o ciúme simplesmente se esvai. Para conseguirmos isso é preciso abnegação e desprendimento de si e do outro, pois quando nos amamos nos desvencilhamos de atitudes de tolhimento em relação ao outro.

Com a maturidade percebi que muitas vezes confundimos apego com amor, hoje vejo que esse sentimento negativo não passa de carência afetiva. Enquanto que o amor verdadeiro significa encorajar sempre o crescimento do outro, além de dedicação, companheirismo e renúncia mútua em algumas situações. Quando conseguimos desapegar, o sentimento de liberdade é maravilhoso! A convivência torna-se harmoniosa e aumentamos a confiança no outro.

Umas das atitudes que tomei em meu relacionamento conjugal e que propiciou leveza em nossa convivência foi parar com as cobranças e os julgamentos. Querer saber o tempo todo o que outro está fazendo, está lendo, está olhando no celular, onde foi, com quem foi, por que demorou, por que não avisou, ufa! Isso sufoca qualquer um. E quando criticamos o tempo todo a conduta do outro em um relacionamento querendo que este se adeque ao que julgamos ser o correto, não estamos respeitando a sua personalidade. É preciso lembrar que quando o conhecemos ele já tinha essa conduta. Nesse aspecto, se pararmos com essas atitudes não sofreremos mais. Eu digo com propriedade, pois fiz isso e senti a diferença no meu relacionamento. Eu não agia dessa forma o tempo todo, mas sufocava esse sentimento internamente quando percebia que estava exagerando, mas era um sentimento que me afligia e me entristecia profundamente. Pena que só tive essa percepção depois de ter passado por tantos momentos ruins conforme compartilhei com vocês, senão teria começado a viver de forma tranquila e harmoniosa a mais tempo.

Às vezes fico pensando também se não tivesse passado por tantos momentos traumáticos se eu despertaria para esse novo olhar sobre a vida. Mesmo assim, acredito que nós podemos aprender com os erros e as experiências dos outros, razão de dividir com vocês a minha história de ascensão, sofrimento e o caminho para o processo de superação, pois poderá auxiliá-los a rever as suas próprias atitudes para que não passem pelo que eu passei. Adotem essa atitude e perceberão nitidamente a diferença. O desapego de tudo o que te faz mal, leva ao autoconhecimento, fato que implica na libertação das amarras que nos fazem sofrer.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close